Todo Bolsominion tem um Queiroz escondido

Depois de um Ttsunami de festejos dos eleitores do Bolsonaro, uma situação nova surge: Como combater a arrogância dos ganhadores?

Afinal de contas, até o presente momento os eleitores de Bolsonaro estão espalhando soberba por todo o lado. Mais do que isto, há uma certa superioridade de ganhador: Somos ganhadores, e estamos do lado da verdade, da pureza.

Lula e o PT já passaram por isto quando ganharam "para mudar tudo isto aí", mudar uma política corrupta e um jeito apodrecido de fazer política no Brasil. Como podem imaginar, o discurso da moralidade do PT e do seu líder deram no que deram.

O exemplo de apropriação da moral e dos bons costumes deu muito errado com o PT, pois quando o partido mergulhou na lama política acabou tendo de segurar o ódio de todos aqueles que votaram nele para "mudar tudo isto aí".

Isto do ponto de vista macro. O governo atual corre sérios riscos. Os mesmos riscos que o PT e Lula passaram. E que levaram o país a uma situação delicadíssima, para dizer o mínimo.

Do ponto de vista micro, pensa aí: Seus amigos bolsonaristas estão infernais, não estão? Pomposos, orgulhosos, cabeçudos. Podem tudo, e querem mandar e desmandar na vida alheia. Não só na sexualidade alheia, querem definir novos modelos morais para todos que o cercam…

Mas….

Tem o Queiroz

Não o Queiroz dos Bolsonaros. O Queiroz deles. Dos bolsominions.

Meus amigos bolsonaristas em geral tem um esqueleto dentro do armário. Cito quatro pimpões, reais e próximos.

1 — Homem Hétero Branco de Meia Idade — Felizão com a derrota do PT, responsável por todas as mazelas do Brasil. Daqueles que se alguém disser que um furacão foi por causa do Lula ele acredita.

Este homem de meia idade está cansado dos absurdos nas escolas, das mamadeiras de piroca e coisas do gênero. E quer um Brasil decente e com Ordem e Progresso.

Este sujeito tem uma arma (ilegal) em cada cômodo da casa. Tem e teve inúmeras amantes e já foi dono de inferninhos no litoral.

Sua última "atividade profissional" foi dar um golpe no mercado e sumir com o dinheiro.

2 — Homem Branco Hétero Jovem — Advogado relativamente bem sucedido, gosta de pegar clientes em situações críticas. É uma versão moderna do clássico "advogado de porta de cadeia". Acha que a situação está um absurdo, mas conhece todos os esquemas para molhar a mão de pelo menos umas 20 delegacias em SP.

A última notícia que ouvi dele é que como estava querendo trocar de carro resolveu "inventar" um problema num cliente dele para tentar levar a grana daquele que ele deveria preservar e defender. Tecnicamente isto se chama extorsão.

3 — Homem Branco Gay Jovem — Solteiro e bem posicionado no mercado, ajuda a família pobre no interior, que não aceita sua homossexualidade.

Gosta de participar de orgias no submundo, curte muito baladas e contrata garotos de programa para festinhas regadas a muito álcool e cocaína.

Está muito preocupado com a decência e os bons costumes, e acha que a moralidade do brasileiro vai mal. Espera que o Bolsonaro e seu governo possam colocar na linha questões como corrupção, drogas e o ensino de sexo nas escolas.

4 — Homem Hétero Branco de Meia Idade — Bem sucedido, não tem nenhum bem em seu nome, todos em nomes de laranjas.

Está felicíssimo com a vitória do atual governo, e fez campanha pelo Whatsapp ajudando a espalhar fake news. Ele sabia que eram fake, mas acha que contra o inimigo vale tudo.

Apesar de ter muito dinheiro, não ajuda os filhos do primeiro casamento. Praticamente os ignora. Depois de casar de novo deixou os filhos à mingua, e não acha que deva nada para eles.

Espera que o novo governo dê um jeito nesta bagunça que o Brasil se meteu. Quer que os valores da família tradicional voltem a valer, e que se resgate o respeito pelas instituições.

Então… Toda a vez que me encontro com estes caras aí de cima e mais uma série de outros sujeitos que aparecem na minha frente me dá uma vontade de fazer uma pergunta, simples:

Quem você acha que é para poder falar sobre a moral e os bons costumes?

Sério, cansei de ouvir gente escrota falando como os outros devem se comportar.

pesquisador do comportamento humano, tendências e arte

pesquisador do comportamento humano, tendências e arte